• Os achados feitos nas escavações, nomeadamente o notável conjunto de mármores esculpidos, que decoravam a parede da villa, podem ser apreciados no Museu do Rabaçal, instalado na Aldeia do Rabaçal

  • Museu do Rabaçal, com exposição permanente.

    Horário de Funcionamento:

    Terça a Domingo das 11h às 13h e das 14h às 18h

  • Miradouro de Chanca, dotado de painel explicativo sobre diferentes pontos de interesse na paisagem, constituindo-se como um olhar sobre diferentes tempos de ocupação.


 

 

 

Envio de Mensagens

Contacte-nos se pretende alguma informação sobre o Rabaçal ou outro assunto relacionado com este sítio. Também gostaríamos de ter a sua opinião. Até breve...






Facebook Comentários


Moinhos de Vento Versão para impressão Enviar por E-mail

Moinhos – Tecnologia tradicional em Penela

 

Os moinhos podem ser considerados a forma mais evoluída de um sistema primitivo de trituração dos grãos de cereal para fabrico de farinhas alimentares.

 

Antes deles, e desde os tempos mais antigos, nas culturas pré-agrícolas os grãos, os frutos silvestres, as raízes e, posteriormente os primeiros cereais cultivados que faziam parte de uma alimentação do homem eram confeccionados de uma forma arcaica através dos pios, almofarizes, trituradores e lajes naturais.

 

Esta forma de utilizar utensílios primitivos na preparação de cereais está documentada em achados arqueológicos relativos a várias civilizações europeias e mediterrâneas e, nomeadamente em Portugal subsistiram até aos nossos dias entre nós e entre povos de nível técnico pouco evoluído, com carácter exclusivo ou conjuntamente com outros engenhos de moagem mais evoluídos.

 

 

Moinho de vento:

Os moinhos de vento situam-se sempre em pontos altos, cumes ou em terrenos planos e abertos, de modo a içarem sujeitos ao vento e no meio de um terreno circular.

 

Podemos encontrar em Portugal vários tipos de moinhos de vento, nomeadamente os moinhos de vento fixos, de torre, tipo mediterrâneo, em que apenas o tejadilho é móvel; os moinhos giratórios, em que todo o edifício roda sobre o espigão cravado no solo e está assente sobre rodas e, os moinhos de armação, de barras cruzadas, madeira ou ferro, que sustenta uma roda de palhetas, orientada por um leme; contudo, numa área limitada do Centro encontram-se moinhos de madeira, redondos e fixos como os de pedra.

 

No terreno concelhio a maioria dos moinhos de vento eram de tipo giratório de madeira, restando apenas dois em bom estado de conservação e aptos a funcionar. Estes moinhos, caracterizam-se dos restantes devido ao seu sistema de rotação, rodando a totalidade do edifício e não apenas o telhado como os de pedra. São de madeira, de formato prismático, por vezes de seis faces desiguais, quatro maiores laterais, dispostas simetricamente. Rodam em torno de um espigão central, colocado na sua base de frente e apoiam-se sobre duas rodas de madeira ou pedra, aplicadas e uma grade triangular em que assenta o soalho. Estes moinhos rodam com o auxilio de uma tranca de pau, com a extremidade em cunha e da qual o moleiro se servia como alavanca.

Particularidades….acerca do Moleiro

 

O oficio do moleiro é uma profissão em extinção, e os que ainda existem são na sua maioria de idade avançada. São muitas vezes herdeiros de uma tradição familiar, que parece ir terminar com eles. Uma herança que lhes transmitiu os conhecimentos práticos, não só no que se refere à moagem, mas também em relação ao funcionamento do moinho. São inúmeras as suas tarefas, desde deitar o grão na moega, ensacar a farinha, picar as mós, corrigir a orientação do mastro ou colher as velas quando o vento teima em soprar com mais velocidade, reparar a levada e a maquinaria avariada.

 

Podia acontecer o moleiro não ser proprietário do moinho, pois estes pertenciam muitas vezes a agricultores abastados que os arrendavam ao moleiro. O arrendamento do moinho era normalmente pago em espécie, neste caso em farinha.

 

A situação mudou e os moinhos pertencem quase todos a proprietários moleiros, sendo propriedade privada. Contudo em certas povoações podiam ser de tipo comunitário, e todos os vizinhos da aldeia tinham o direito de os utilizar, tal como acontecia na aldeia das Cerejeiras. O moleiro ficava encarregue de andar pela freguesia com o seu burro a recolher as “taleigas” (sacos de pano) do milho e do trigo dos seus fregueses, transporta-lo até ao moinho e depois traze-lo aos seus donos já em farinha.

 

Os moinhos deixaram de responder às exigências crescentes da indústria de moagem e hoje destacam-se como elementos representativos de uma valiosa herança da nossa tecnologia tradicional.

 

Informação Blibliográfica,

Câmara Municipal de Penela.

 

Visitantes do Site

mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje122
mod_vvisit_counterOntem154
mod_vvisit_counterEsta Semana950
mod_vvisit_counterEste Mês2676
mod_vvisit_counterTodos372267

Visitantes em Linha

Temos 38 visitantes em linha

Copyright © 2017. Jose Gomes - Criado em Joomla e shape5 www.gomitos.com